Pular para o conteúdo principal

O patrono da Feira é Gonçalves Dias; melhor, para evitar ciumeiras

Xilogravura de Airton Marinho para um cordel inédito sobre a vida de Gonçalves Dias

Ao contrário de edições passadas, o patrono da Felis 2016 não é um escritor vivo, mas que se imortalizou pelo poder da sua produção e importância da sua obra. Trata-se do caxiense Gonçalves Dias, sendo a opção por um escritor já falecido, na minha opinião, acertada, na medida em que evita guerrilhas de ego e ciumeiras que eventualmente envolvem a escolha do principal homenageado da Feira.
Menos lembrado do que deveria entre nós, maranhenses, Antônio Gonçalves Dias nasceu no dia 10 de agosto de 1823, em Caxias. Era filho do comerciante português João Manuel Gonçalves e da brasileira, cafuza, Vicência. Que foi mandada embora quando o pai do poeta conhece D. Adelaide Ramos d’Almeida, com quem se casa.
Em 1830 o menino, que fica sob a guarda paterna, inicia os estudos das primeiras letras com o professor José Joaquim de Abreu. Nos anos seguintes estuda caligrafia e contas, trabalha com desenvoltura no estabelecimento comercial do pai, para em maio de 1837 partir na companhia de João Manuel para São Luís com destino a Portugal. O genitor, adoentado, viaja para tratamento de saúde; o filho, que chamava a atenção dos amigos da família pela sua inteligência e conhecimentos, para estudar Direito em Coimbra.
É então que o futuro poeta sofre o primeiro grande revés da sua vida. Na capital, a saúde de João Manuel recrudesce e ele morre, voltando Antônio para Caxias onde passa a residir com a aquela que tomara o lugar da sua mãe Vicência, a madrasta Adelaide. (Continua)


Postagens mais visitadas deste blog

"Arte e Manhas do Jabuti" será lançado em junho

Publicado com o selo Autêntica, será lançado em breve, em São Luís, o meu infantil Arte e Manhas do Jabuti. O livro, com recontos da tradição oral dos tenetehara, tem apresentação do escritor e pesquisador da cultura popular, Marco Haurélio, e belíssimas ilustrações de Taisa Borges.  Lembrete: para quem quiser se adiantar, o livro já se encontra em pré-venda na página da editora (http://grupoautentica.com.br/). Arte e Manhas do Jabuti conta com apoio cultural do SESC-MA.




























A menina inhame e Os dois irmãos e o olu: dois belos contos africanos em versos de cordel

Acabaram de sair pela editora SESI-SP os livros A menina inhame e Os dois irmãos e o olu, contos africanos que ganharam nessas obras versões em cordel.
A menina inhame é um conto tradicional africano recolhido e recontado por Agnès Agboton, com tradução do escritor Celso Sisto para o português. E a ideia foi unir a tradição dos versos de cordel à forte tradição africana voltada para a oralidade, manifestada com imensa beleza estética nesta história de provável origem iorubá.
O conto fala da angústia de uma mulher que desprezada pela sua comunidade por não conseguir ter filhos, pede a algo da natureza (no caso um inhame, tubérculo que em alguns países da África tem uma simbologia ancestral ligada à fertilidade) que se converta em sua filha. Assim, a fim de convencer o inhame, chamado Tevi, a atender-lhe o desejo, a mulher promete jamais revelar a verdadeira origem da moça. Mas acaba, o que gera desagradáveis consequências, quebrando a promessa num momento de raiva.
Os dois irmão e o …

O dono da banca: a história e as polêmicas por trás da maior editora de revistas do país

Da revista Veja já se disse quase tudo. Que é conservadora, reacionária, de esquerda, de direita, elitista, sem compromisso com os fatos ou com os princípios básicos do jornalismo. Enfim, um manancial de adjetivos desabonadores cuja lista aumenta sempre que a revista, com suas posições e matérias, melindra sensibilidades.  Exemplo antigo: reportagem de Veja de 1989 estampando foto do cantor e compositor Cazuza com o título: “Uma vítima da Aids agoniza em praça pública”. Exemplo recente: capa de Veja com foto de Marcela, esposa do presidente Michel Temer, chamando para reportagem sobre a primeira-dama. Para muitos, tratava-se de mais uma tentativa da revista de ajudar a atenuar a rejeição dos brasileiros em relação ao desgastado presidente.
De qualquer maneira não deixa de ser instrutivo, mesmo para os mais viscerais desafetos da principal joia da coroa da Editora Abril, a leitura de “Roberto Civita, o dono da banca”, do jornalista Carlos Maranhão. Trata-se da biografia de Roberto Civit…