domingo, 29 de janeiro de 2017

O dono da banca: a história e as polêmicas por trás da maior editora de revistas do país

Da revista Veja já se disse quase tudo. Que é conservadora, reacionária, de esquerda, de direita, elitista, sem compromisso com os fatos ou com os princípios básicos do jornalismo. Enfim, um manancial de adjetivos desabonadores cuja lista aumenta sempre que a revista, com suas posições e matérias, melindra sensibilidades.  Exemplo antigo: reportagem de Veja de 1989 estampando foto do cantor e compositor Cazuza com o título: “Uma vítima da Aids agoniza em praça pública”. Exemplo recente: capa de Veja com foto de Marcela, esposa do presidente Michel Temer, chamando para reportagem sobre a primeira-dama. Para muitos, tratava-se de mais uma tentativa da revista de ajudar a atenuar a rejeição dos brasileiros em relação ao desgastado presidente.

De qualquer maneira não deixa de ser instrutivo, mesmo para os mais viscerais desafetos da principal joia da coroa da Editora Abril, a leitura de “Roberto Civita, o dono da banca”, do jornalista Carlos Maranhão. Trata-se da biografia de Roberto Civita, o criador de Veja, e da história da criatura, que a despeito dos solavancos ainda se mantém como a mais importante do grupo e a de maior vendagem no país. Escrito com rigor jornalístico e lido com sabor de romance, a obra resgata na verdade a trajetória da própria Editora Abril desde a sua criação pelas mãos de Victor Civita, pai de Roberto, até os momentos difíceis impostos pela crise profunda que se abateu sobre a mídia impressa nos primeiros anos do século XXI.  
Pelos números, dá para se ter uma ideia da força e do tamanho da influência que, para o bem ou para o mal, a Abril exerceu no país. Tendo como primeiro título o gibi “Raio Vermelho”, lançado em 1950, a editora da arvorezinha viria a se transformar num império que nos seus momentos de maior vigor chegou a empregar mais de 10 mil profissionais e publicar nada menos que trezentos títulos. Uma produção exuberante que balançou e ajudou a fazer governos e tirou o sono de poderosos. E que se incorporou de tal modo à formação intelectual de brasileiros de diversas gerações que é impossível encontrar um só nacional instruído na faixa dos cinquenta ou sessenta anos cuja formação não tenha sido pelo menos tangenciada por conteúdos de publicações como Os Pensadores, revista Quatro-Rodas, Claudia, Play Boy. Além, é claro, daquela que com suas reportagens de primeira linha passou a ser um marco do jornalismo no país, a revista Realidade.

Segundo o autor, profissional de longo curso da Abril, a ideia do livro surgiu de uma série de entrevistas a ele concedidas por Roberto Civita, que tinha o propósito de organizar suas memórias para publicação. Com a morte do protagonista, em 2013, o projeto acabou sendo interrompido, até, passada a comoção inicial, Maranhão resolver retomá-lo. Obteve autorização da família e para que suas ligações profissionais com o grupo não viessem a comprometer o trabalho, decidiu também afastar-se temporariamente da empresa. O resultado está em quinhentas páginas de ótimo texto, onde o leitor irá encontrar desde célebres picuinhas do mundo da imprensa, até revelações tipo puladas de cerca, ressentimentos, brigas. Enfim, coisas que acontecem até nas melhores famílias.
Carlos Maranhão, a propósito, não é maranhense, mas paranaense.



sábado, 12 de novembro de 2016

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Programação de hoje da Felis


PROGRAMAÇÃO DA FELIS - DIA 11 DE NOVEMBRO
(sexta-feira)
CAFÉ LITERÁRIO
Local: Centro de Criatividade Odylo Costa, filho
17h – Sarau Musical "Brilhando no Café"
Realização: Curso de Licenciatura em Música - DEART – UFMA
17h30 – Bate-Papo Literário: "Homenagem ao teatrólogo Aldo Leite"
19h30 – Sarau Café com Canção
Realização: Curso de Licenciatura em Música da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA
PALCO FELIS
Local: Praça Nauro Machado
14h – As sete lendas que encantam São Luís – UEB Cecília Meireles
15h – Histórias Bilíngues – LABORARTE
16h – Ballet Infantil – Escola Marista
16h30 – Histórias para contar – Cia Nhá Caboca
17h – A mulher ambulante – SMB Cordeiro
18h – As bodas de canãa – Cena Aberta
21h – Clarins ao Vento – André Roberto
APRESENTAÇÕES CULTURAIS - SEMED 
LOCAL: TEATRO JOÃO DO VALE
14h - Projeto Balé - Creche Escola Maria De Jesus Carvalho (Educação Infantil)
15h – Coral Melodia com as Mãos - UEB Maria Alice Coutinho
15h30 - Espetáculo Teatral: Escravidão - UEB Bandeira Tribuzzi (Programa Mais Educação)
16hs - Ballet infantil - Colégio Marista Araçagy
CONFERÊNCIAS
Local: Praça Nauro Machado
Horário: 20h
Palestrante: Marcia Tiburi (SP)
Tema: Literatura, Filosofia e Política
Mediador: Francisco Gonçalves (doutor em comunicação e cultura)
CASA DO ESCRITOR MARANHENSE – LANÇAMENTO DE LIVROS
Local: Vila dos Livros/Praça da Casa do Maranhão
14h - "Revista Catirina e Pai Francisco" de Beto Nicácio, e "Ajurujuba - a fundação da cidade de São Luís" de Iramir Araújo
15h - "Avaliação da aprendizagem" - Silvana Machado
16h - "Um espectro ronda a ilha; o comunismo na imprensa de são luís" - Ariel Tavares Pereira
17h - "Coletâneas de cordéis" - Raimunda Pinheiro de Souza Frazão
17h40, livro "Pelos Caminhos da Força Expedicionária Brasileira na Segunda Guerra Mundial: condições e contradições de uma época", de Dilercy Aragão Adler.
18h - "Reconstituição da história de Axixá do Munim" - Antônio Oliveira Santos
19h - "Vivendo teatrodança (autografo + performance)" - Júlia Emília B. F. Da Silva
20h - "São Luís, cidade radiante" - José Antônio Viana Lopes
16h. Sala de autógrafos. Bate papo: "A disciplina, o rebanho e os capitães: um passeio literário nas obras da UEMA 2017". Debatedores: Álvaro Luís Lima Maio e Lizia Adriane Freire Ferreira
ESPAÇO JOVEM
Local: Vila dos Livros/Praça do Casa do Maranhão
13h - Apresentação Cultural: Contação de História sobre Participação Juvenil/Adolescentes do CJ Florescer/FUNAC
13h30 - Roda de conversa: Participação Juvenil em tempos de crise
Convidados: Dayana Roberta, Jorge Hilton, Adolescentes do Comitê Infanto Juvenil do Jeniparana, Adolescente do CJ Florescer/FUNAC, PROJUR/Rede Amiga da Criança
Mediador: Fórum Municipal de Juventudes
15h - Oficina: Por mim, por nós e por todas: contra a Cultura de Estupro
Facilitação: GERAMUS, Rede Amiga da Mulher, CEM, CMCF, NAFEM, Coletivo Quebradeira
16h - Papo Jovem: Jovens: participação e Ativismo feminista
Facilitadores: Fórum Maranhense de Mulheres; NAFEM; Coletivo Quebradeiras
17h - Bate-papo com juventude: Sabrina Mendes / Gustavo Lacombe (RJ)
Mediador: Projeto Literatura Mútua
18h - Painel: Saúde LGBT
Mediador: Werberson Fernandes
19h30 – Palestra sobre Cultura Otaku
Facilitador: Saylon Sousa – GPEAC/UFMA
CASA DO PROFESSOR
Local: Auditório da Defensoria Pública do Estado do Maranhão
14h às 15h50 - Palestra e mini oficina: Lendas Maranhenses em Paper Toy
Ministrante: João Manoel Santos (Designer)
16h às 17h - Roda de Conversa: Educação para o Trânsito na Escola
Participantes: Luís José Câmara Pedrosa (SEDUC) e Lourival da Cunha Souza (Ong SOS Vida)
Local: Escola de Cinema – Unidade Vocacional Praia Grande
14 às 18h - Oficina: Contar Histórias: arte da memória
Ministrante: Gisele Vasconcelos (Departamento de Arte – UFMA)
Local: Centro de Criatividade Odylo Costa, filho
14h às 16h30 - Seminário: Livros Acessíveis e Inclusivos: Contribuições para a democratização do acesso
Palestrante: Carla Mauch
IX SEMINÁRIO DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE LEITURA, BIBLIOTECAS E INFORMAÇÃO
Local: Auditório do Centro de Criatividade Odylo Costa, filho
8h às 9h30 - Comunicações Orais -
9h30 às 12h - Mesa 4: Bibliotecas e Arquivos: espaços de memória e de inclusão? Dra. Aldinar Martins Bottentuit (UFMA); Profª Doutoranda Dirlene Barros (UFMA); Dr. Doutorando José Oliveira da Silva Filho; Mediador: Profº Dr. Roosewelt Lins
13h às 17h - Apresentação de Comunicações Orais Mediadores: Dr. Samuel Velazquez; Msc. Márcia Cordeiro (UFMA)
14h às 17h30 - Oficinas: Estratégias de Leitura e Formação de Leitores - Profª Drª Leoneide Martins (UFMA); História e Memória de Professores - Profa. Ana Chapoudry; Mediação da Leitura em Bibliotecas Comunitárias – Thais Rodrigues (Rede Leitora Terra das Palmeiras)
18h – Encerramento – Lançamento de livros
BECO RIMA VIVA
Local: Praça da Casa do Maranhão
18h às 20h – Concurso de Poesia FESTIVAL PAPOÉTICO.
CINE FELIS - MOSTRA MAVAM E GUARNICÊ 40 ANOS
Local: Casa do Maranhão
SESSÃO Animações Maranhenses: Mostra especial com filmes de animação produzidos por animadores maranhenses
14h30 às 16h - PADRE NOSSO, A PONTE, UPAON AÇU, SAINT LOUIS, SÃO LUIS, de Joaquim Haickel
SESSÃO Panorama Cinema Maranhense: Mostra com filmes de cineastas maranhenses, de várias gerações, que participaram do Festival Guarnicê de Cinema nestes 40 anos.
16h às 18h - AI QUE VIDA, de Cícero Filho
PROGRAMAÇÃO AMEI NA FELIS
Local: Casa do Maranhão
14h – Contação de história: Pedro Malasarte, com a escritora Edna Mendonça e As Proezas do Filho do Pescador, com o escritor Antonio Melo.
15h – Bate-papo: Poesia em Rede: o romantismo na pós-modernidade, com os escritores Carlos Vinhorth, Jediael Everton, Mateus Borges e Rafaela Rocha.
16h – Relançamento: Livro Pérolas ao Tempo, de Rosemary Rêgo.
17h – Palestra: A sexualidade enquanto comportamento, com os escritores Histarley Monte Negro e Ahtange Ferreira.
18h – Lançamento: Livro Soraia, de Histarley Monte Negro.
19h – Lançamento: Livro Metamorfose, de Antonio Augusto.
20h – Lançamento: Livro Idade da Águia, de Sofia Tavares e Recital Lírico, com Sofia Tavares e convidados.
PROGRAMAÇÃO DE LANÇAMENTOS – ESTANDE DA UFMA
Local: Estande da UFMA/Vila dos Livros
14h às 15h - DINO CAVALCANTE | JOSÉ NERES - O Século XX e Literatura Maranhense: reflexões sobre a narrativa em prosa | Um Maranhão chamado Sobrinho
15h às 16h - VIVIANE BARBOSA - Na Terra das Palmeira: Gênero, Trabalho e Identidades no Universo das Quebradeiras de Coco Babaçu no Maranhão
16h às 17h - NAIARA SALES ARAÚJO SANTOS - Ficção Cientifica Brasileira: Cultura, Identidade e Política | Ensino de línguas: Múltiplos Olhares | Ensino de Línguas e Discurso: Reflexões e Práticas | Identidade: Ressonâncias
17h às 18h - JAMES RIBEIRO | JUSSARA SILVA DANTAS | MARYZÉLIA FURTADO DE FARIAS - Análise sobre a política territorial no Baixo Parnaíba-MA
18h às 19h - NATALINO SALGADO FILHO - Tarquino Lopes Filho: médico, político, jornalista, administrador que virou mito | Faculdade de Medicina: uma história de 59 anos.
ESPAÇO MULHER: Programação Biblioteca Maria da Penha Maia Fernandes
Local: Casa do Maranhão
13h às 20h - Exposição do acervo de livros, folhetos, panfletos que retratem o histórico de conquistas da mulher, assim como seus direitos / Exposição de fotos com ações da SEMU
16h às 19h - Elaboração de textos,desenhos a partir da apresentação de vídeo que retratem a temática violência contra as mulheres

Livro une ficção científica e personagens do folclore maranhense


O escritor José Ewerton Neto, membro da Academia Maranhense de Letras, lança hoje, na Felis, no stand da livraria Vozes, a partir das 19h, o livro “O Entrevistador de lendas - uma aventura de ficção científica sobre lendas maranhenses”. Trata-se, segundo o autor, de uma aventura de ficção científica sobre lendas do Maranhão com o objetivo de trazer aos leitores, especialmente aos estudantes, todo o fascínio das principais lendas da região num formato mais lúdico que didático. Na trama, personagens do futuro viajam pelo tempo em busca de lendas em um momento em que se esgotam as possibilidades de entretenimento humano. Desse modo, iniciam interações que são divulgados para todo o universo. O ritmo é alucinante. O final é insólito e, além das emoções propiciadas pelo texto, o leitor tem de quebra informações sobre o folclore maranhense.
Para o professor e escritor José Neres, neste novo livro de Ewerton “o exotismo das lendas maranhenses entra em cena como aperitivos rápidos, suculentos e bem explorados em uma questionadora obra que agora vem público”.
“O Entrevistador de lendas” faz parte do Plano de Publicação da Academia Maranhense de Letras, realizado através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.


quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Palestra de Marcia Tiburi adiada


A conferência da filósofa Marcia Tiburi que teria lugar ontem na Felis não aconteceu, ficando adiada para amanhã (sexta). Foi mais uma alteração de última hora na programação da Feira, que teve mudado, logo de saída, o local e horário para abertura do evento. Previsto para ser realizado na Praça Nauro Machado, no domingo, terminou acontecendo no Odylo Costa, filho, na segunda-feira. Repetindo postagem anterior: Tiburi, que falará de Literatura, Filosofia e Política, vem de lançar “Conversando com um fascista, reflexões sobre o cotidiano autoritário brasileiro”, obra prefaciada pelo deputado federal Jean Wyllys. Em tempos de Trump & Temer, assunto para discussão não vai faltar.





quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Marcia Tiburi: a democracia está ameaçada


A mestre e doutora em filosofia Marcia Tiburi é a atração da Felis, hoje, a partir das 20h, na Praça Nauro Machado. Ela vai falar de Literatura, Filosofia e Política, tendo como mediador o jornalista Francisco Gonçalves. Assunto com certeza não vai faltar para ser colocado em debate, levando em conta, principalmente, que Tiburi vem de lançar recentemente o livro “Conversando com um fascista, reflexões sobre o cotidiano autoritário brasileiro”. Com prefácio do deputado federal Jean Wyllys, o livro, segundo a Folha de São Paulo, é “um repúdio contra a barbárie”. E clama pelo diálogo. “Não podemos fingir que nada está acontecendo, a democracia está ameaçada, é preciso reagir”, diz autora, para quem essa reação deve se dar por um meio da forma específica do ativismo filosófico, que é o diálogo. 

Livros de autores maranhenses na Felis

Para quem se interessa por livros de autores maranhenses, a Felis é uma ótima oportunidade de adquirir obras produzidas pela turma daqui. Na Casa do Maranhão, por exemplo, um espaço foi reservado exclusivamente para os escritores locais. Mas não fica nisso. Como em anos anteriores, continua mantido o stand de autores maranhenses. E em livrarias como a Vozes e Poeme-se, o leitor também pode encontrar obras de autores locais.
Estão lá, entre outros, os meus O tambor de Mestre Zizinho e A lenda do Rei Sebastião em cordel, ambos lançados pela editora Mercuryo Jovem.

O primeiro, ambientado em um quilombo maranhense, tem o tambor de crioula como pano de fundo da história de um garoto curioso que ajuda sua comunidade a recuperar a tradição da manifestação, que andava um tanto esquecida.

Já a lenda do Rei Sebastião conta em versos de cordel a história fantástica do Rei Sebastião que tendo desparecido numa batalha na África, reaparece em terras maranhenses na figura de um touro encantado. Ambos os livros são ilustrados pela artista paulista Dedê Paiva.