Pular para o conteúdo principal

Eduardo Bueno é atração de hoje na FELIS

O jornalista, editor e tradutor Eduardo Bueno é a grande atração de hoje da Felis, a partir das 20h, na Praça Nauro Machado. Autor da coleção Terra Brasilis, ele se tornou um dos maiores fenômenos editoriais do país, tendo ocupado de forma inédita a lista dos mais vendidos dos principais jornais e revistas nacionais com três dos seus títulos – Viagem do Descobrimento, Náufragos, Traficantes e Degredados e Capitães do Brasil. Como nem tudo são flores, em 2014 Bueno cometeu um deslize. Durante o programa “Extraordinários”, do canal a cabo Sport TV, ele se referiu ao Nordeste como “aquela bosta”. E aí as coisas azedaram. A grita foi geral, com o escritor acusado de preconceituoso e tentativa de enquadrá-lo na justiça.
Bueno, é claro, teria reagido, e bem ao seu estilo. “Eu tenho que falar um tema sério, sério de verdade. Não é brincadeira, é um pronunciamento. O negócio é o seguinte: eu quero declarar guerra! Guerra a nordestino babaca! Está cheio de nordestino babaca e eu conjuro e chamo todos os nordestinos verdadeiros que amam o Nordeste como eu. Eu conjuro e chamo aqui nesta sala Pierre Verger, que não era nordestino, era francês, mas sabia tudo de lá. Eu chamo Carybé, aquele homem maravilhoso que eu conheci, Antonio Risério, Leonardo Dantas, Xico Sá, Torquato Neto, que a gente cantou aqui”.
“Se quiserem fazer protesto contra mim, façam. É o seguinte: chega dessa ditadura desses babacas de Twitter. Quer brigar comigo? Vem, mas leia quarenta livros e ame e venere o Nordeste como eu amo e venero o Nordeste. É isso aí! Tem uma petição pública querendo me processar. Pegaram o cara errado! ”, desabafou.
Veja a fala de Eduardo Bueno que gerou a polêmica.




Postagens mais visitadas deste blog

"Arte e Manhas do Jabuti" será lançado em junho

Publicado com o selo Autêntica, será lançado em breve, em São Luís, o meu infantil Arte e Manhas do Jabuti. O livro, com recontos da tradição oral dos tenetehara, tem apresentação do escritor e pesquisador da cultura popular, Marco Haurélio, e belíssimas ilustrações de Taisa Borges.  Lembrete: para quem quiser se adiantar, o livro já se encontra em pré-venda na página da editora (http://grupoautentica.com.br/). Arte e Manhas do Jabuti conta com apoio cultural do SESC-MA.




























A menina inhame e Os dois irmãos e o olu: dois belos contos africanos em versos de cordel

Acabaram de sair pela editora SESI-SP os livros A menina inhame e Os dois irmãos e o olu, contos africanos que ganharam nessas obras versões em cordel.
A menina inhame é um conto tradicional africano recolhido e recontado por Agnès Agboton, com tradução do escritor Celso Sisto para o português. E a ideia foi unir a tradição dos versos de cordel à forte tradição africana voltada para a oralidade, manifestada com imensa beleza estética nesta história de provável origem iorubá.
O conto fala da angústia de uma mulher que desprezada pela sua comunidade por não conseguir ter filhos, pede a algo da natureza (no caso um inhame, tubérculo que em alguns países da África tem uma simbologia ancestral ligada à fertilidade) que se converta em sua filha. Assim, a fim de convencer o inhame, chamado Tevi, a atender-lhe o desejo, a mulher promete jamais revelar a verdadeira origem da moça. Mas acaba, o que gera desagradáveis consequências, quebrando a promessa num momento de raiva.
Os dois irmão e o …

O dono da banca: a história e as polêmicas por trás da maior editora de revistas do país

Da revista Veja já se disse quase tudo. Que é conservadora, reacionária, de esquerda, de direita, elitista, sem compromisso com os fatos ou com os princípios básicos do jornalismo. Enfim, um manancial de adjetivos desabonadores cuja lista aumenta sempre que a revista, com suas posições e matérias, melindra sensibilidades.  Exemplo antigo: reportagem de Veja de 1989 estampando foto do cantor e compositor Cazuza com o título: “Uma vítima da Aids agoniza em praça pública”. Exemplo recente: capa de Veja com foto de Marcela, esposa do presidente Michel Temer, chamando para reportagem sobre a primeira-dama. Para muitos, tratava-se de mais uma tentativa da revista de ajudar a atenuar a rejeição dos brasileiros em relação ao desgastado presidente.
De qualquer maneira não deixa de ser instrutivo, mesmo para os mais viscerais desafetos da principal joia da coroa da Editora Abril, a leitura de “Roberto Civita, o dono da banca”, do jornalista Carlos Maranhão. Trata-se da biografia de Roberto Civit…