Pular para o conteúdo principal

Concurso de literatura da Func bate recorde de participação

Literatura de cordel: nova categoria do concurso



















O Concurso Literário Cidade de São Luís, promovido pela prefeitura através da sua Fundação Cultural, bateu recorde de participação em todos os tempos. Segundo informações dos organizadores, 220 pessoas se inscreveram nas diversas categorias, incluindo poesia, romance, conto, infantojuvenil e a estreante literatura de cordel.
Jurados de São Luís e de fora do Maranhão irão julgar os trabalhos concorrentes, devendo os resultados ser anunciados durante a próxima Feira do Livro da cidade, que acontece em outubro. Primeiro e segundo lugares de cada categoria ganharão prêmio em dinheiro (7 e 3 salários mínimos respectivamente). E os primeiros colocados terão direito ainda à publicação da obra.
Os esforços da equipe em resgatar a tradição do concurso tem sido, desde a gestão de Francisco Gonçalves na Func e agora com Marlon Botão, decisiva para que mais autores se interessem em participar. Pelo que sei, é a primeira vez que profissionais de fora são contratados para fazer parte do júri, o que certamente aumenta sua credibilidade. Além disso, o concurso foi estendido (o que nem todo mundo concorda) para todo o estado. A inclusão da literatura de cordel igualmente deve ter contribuído para o aumento dos números, em que pese o que considero uma falha no edital no que diz respeito às regras para concorrer nessa categoria: a limitação do trabalho a vinte estrofes, o que dificulta o desenvolvimento de um poema e resultará num folheto sovina, mais fino do que qualquer um dos que a gente compra nas bancas de revistas da Deodoro.

Postagens mais visitadas deste blog

"Arte e Manhas do Jabuti" será lançado em junho

Publicado com o selo Autêntica, será lançado em breve, em São Luís, o meu infantil Arte e Manhas do Jabuti. O livro, com recontos da tradição oral dos tenetehara, tem apresentação do escritor e pesquisador da cultura popular, Marco Haurélio, e belíssimas ilustrações de Taisa Borges.  Lembrete: para quem quiser se adiantar, o livro já se encontra em pré-venda na página da editora (http://grupoautentica.com.br/). Arte e Manhas do Jabuti conta com apoio cultural do SESC-MA.




























A menina inhame e Os dois irmãos e o olu: dois belos contos africanos em versos de cordel

Acabaram de sair pela editora SESI-SP os livros A menina inhame e Os dois irmãos e o olu, contos africanos que ganharam nessas obras versões em cordel.
A menina inhame é um conto tradicional africano recolhido e recontado por Agnès Agboton, com tradução do escritor Celso Sisto para o português. E a ideia foi unir a tradição dos versos de cordel à forte tradição africana voltada para a oralidade, manifestada com imensa beleza estética nesta história de provável origem iorubá.
O conto fala da angústia de uma mulher que desprezada pela sua comunidade por não conseguir ter filhos, pede a algo da natureza (no caso um inhame, tubérculo que em alguns países da África tem uma simbologia ancestral ligada à fertilidade) que se converta em sua filha. Assim, a fim de convencer o inhame, chamado Tevi, a atender-lhe o desejo, a mulher promete jamais revelar a verdadeira origem da moça. Mas acaba, o que gera desagradáveis consequências, quebrando a promessa num momento de raiva.
Os dois irmão e o …

O dono da banca: a história e as polêmicas por trás da maior editora de revistas do país

Da revista Veja já se disse quase tudo. Que é conservadora, reacionária, de esquerda, de direita, elitista, sem compromisso com os fatos ou com os princípios básicos do jornalismo. Enfim, um manancial de adjetivos desabonadores cuja lista aumenta sempre que a revista, com suas posições e matérias, melindra sensibilidades.  Exemplo antigo: reportagem de Veja de 1989 estampando foto do cantor e compositor Cazuza com o título: “Uma vítima da Aids agoniza em praça pública”. Exemplo recente: capa de Veja com foto de Marcela, esposa do presidente Michel Temer, chamando para reportagem sobre a primeira-dama. Para muitos, tratava-se de mais uma tentativa da revista de ajudar a atenuar a rejeição dos brasileiros em relação ao desgastado presidente.
De qualquer maneira não deixa de ser instrutivo, mesmo para os mais viscerais desafetos da principal joia da coroa da Editora Abril, a leitura de “Roberto Civita, o dono da banca”, do jornalista Carlos Maranhão. Trata-se da biografia de Roberto Civit…