Pular para o conteúdo principal

LIVREIROS PUBLICAM CARTA ABERTA AOS CANDIDATOS A PREFEITO



A Associação dos Livreiros do Estado do Maranhão (ALEM) publicou uma carta aberta aos candidatos a prefeito de São Luís, onde aponta os principais problemas enfrentados pelo mercado do livro local, e, em especial, aqueles que envolvem a realização da Feira do Livro de São Luís, a Felis. Segundo os livreiros, algumas feiras foram bem sucedidas, porém, nos últimos seis anos, o evento enfraqueceu por conta dos investimentos insuficientes e falta de tratamento adequado por parte do poder público, embora trate-se do maior evento literário do Maranhão.
Entre as críticas constantes do documenta, a Alem aponta as diversas mudanças de local e data de realização, desconsiderando que iniciativas desse porte necessitam de planejamento minucioso, espaço adequado, infraestrutura, recursos humanos especializados, segurança e outros itens, necessários para manter o padrão de qualidade que o evento e a sociedade merecem.
No documento os livreiros lamentam o retrocesso da Felis, no passado tida como destaque nacional e figurando entre as 10 melhores do Brasil, e diz esperar que no futuro o evento volte a ser referência para nossos leitores e livreiros. E finalizam pontuando algumas questões que, de acordo com a carta, merecem um olhar cuidadoso por parte daquele que vier a assumir a prefeitura pelos próximos quatro anos.  Entre eles:
a)   Que as próximas feiras sejam realizadas em locais adequados, como a Praça Maria Aragão ou Centro de Convenções, por exemplo.
b)   Que seja aprovada uma emenda estabelecendo um orçamento digno para realização da Feira e que esse orçamento seja aplicado em atividades da Feira, para promoções do livro e da leitura.
c)    Que a prefeitura conceda Vale Livro para os estudantes de escolas públicas, a exemplo das primeiras edições do evento.
d)   Que a Feria seja bem estruturada, divulgada na comunidade, de forma a facilitar a participação da população de baixa renda, inclusive com transporte.
e)   Que a coordenação da Feira tenha o apoio necessário, principalmente de consultoria, e uma estrutura adequada para garantir o desempenho de suas atribuições, considerando que trabalha atualmente sem a mínimas condições, não dispondo de internet, telefone, espaço adequado, etc.
f)     Que os convidados (escritores, ilustradores, artistas e especialistas) sejam remunerados conforme estabelecido com a coordenação da Feira.

g)   Que as próximas feiras sejam realizadas pela Alem, a exemplo do que acontece em outros estados, que contratam a Câmara Brasileira do Livro e/ou empresa especializada para garantir a execução do evento com êxito. 

Postagens mais visitadas deste blog

"Arte e Manhas do Jabuti" será lançado em junho

Publicado com o selo Autêntica, será lançado em breve, em São Luís, o meu infantil Arte e Manhas do Jabuti. O livro, com recontos da tradição oral dos tenetehara, tem apresentação do escritor e pesquisador da cultura popular, Marco Haurélio, e belíssimas ilustrações de Taisa Borges.  Lembrete: para quem quiser se adiantar, o livro já se encontra em pré-venda na página da editora (http://grupoautentica.com.br/). Arte e Manhas do Jabuti conta com apoio cultural do SESC-MA.




























A menina inhame e Os dois irmãos e o olu: dois belos contos africanos em versos de cordel

Acabaram de sair pela editora SESI-SP os livros A menina inhame e Os dois irmãos e o olu, contos africanos que ganharam nessas obras versões em cordel.
A menina inhame é um conto tradicional africano recolhido e recontado por Agnès Agboton, com tradução do escritor Celso Sisto para o português. E a ideia foi unir a tradição dos versos de cordel à forte tradição africana voltada para a oralidade, manifestada com imensa beleza estética nesta história de provável origem iorubá.
O conto fala da angústia de uma mulher que desprezada pela sua comunidade por não conseguir ter filhos, pede a algo da natureza (no caso um inhame, tubérculo que em alguns países da África tem uma simbologia ancestral ligada à fertilidade) que se converta em sua filha. Assim, a fim de convencer o inhame, chamado Tevi, a atender-lhe o desejo, a mulher promete jamais revelar a verdadeira origem da moça. Mas acaba, o que gera desagradáveis consequências, quebrando a promessa num momento de raiva.
Os dois irmão e o …

O dono da banca: a história e as polêmicas por trás da maior editora de revistas do país

Da revista Veja já se disse quase tudo. Que é conservadora, reacionária, de esquerda, de direita, elitista, sem compromisso com os fatos ou com os princípios básicos do jornalismo. Enfim, um manancial de adjetivos desabonadores cuja lista aumenta sempre que a revista, com suas posições e matérias, melindra sensibilidades.  Exemplo antigo: reportagem de Veja de 1989 estampando foto do cantor e compositor Cazuza com o título: “Uma vítima da Aids agoniza em praça pública”. Exemplo recente: capa de Veja com foto de Marcela, esposa do presidente Michel Temer, chamando para reportagem sobre a primeira-dama. Para muitos, tratava-se de mais uma tentativa da revista de ajudar a atenuar a rejeição dos brasileiros em relação ao desgastado presidente.
De qualquer maneira não deixa de ser instrutivo, mesmo para os mais viscerais desafetos da principal joia da coroa da Editora Abril, a leitura de “Roberto Civita, o dono da banca”, do jornalista Carlos Maranhão. Trata-se da biografia de Roberto Civit…