Pular para o conteúdo principal



Bolívia Querida, a História do Sampaio Corrêa em cordel, virou eBook. O livreto, que agora pode ser adquirido no site da Amazon (clique aqui) foi publicado com o objetivo de homenagear o Sampaio pela ocasião da conquista do Campeonato Brasileiro Série D, e traz em versos rimados a trajetória deste que é um dos mais importantes clubes de futebol do Maranhão.

O time das multidões
Em vinte e três foi fundado (1923)
Por um grupo de esportistas
No bairro do Lira chamado,
Começou humildemente,
Mas logo seria afamado.


O livro rememora os tempos difíceis que se sucederam após a fundação, e de como o Sampaio logo se impôs, derrotando os times da periferia e conquistando seu lugar ao sol, entre os grandes clubes da época:

Na sua primeira fase
Com muita raça e ousadia,
O Tricolor foi fazendo
Uma grande freguesia,
Surrando sem piedade
Clubes da periferia.

Finalmente, certo dia,
Chamou p’rum desafiado
O tal Luso Brasileiro,
Time de endinheirado,
Na época o campeão
De futebol no estado.

Enquanto o Luso era
Um time de condição,
O Sampaio era um escrete
De povo pobre, sem chão,
Sua torcida era humilde,
Só de gente do povão.

Enquanto os atletas Lusos
Tinham nomes de estola,
Vandick, Guilhon, Negreiros...
Do Sampaio, a corriola,
Tinha Zezico, Mundico,
Zé Ratinho e Chico Bola.

Mesmo assim pro time chique
Foi negativo o placar,
O tricolor bateu o Luso,
Que não gostou de apanhar,
E implorando por revanche
Jogou outra vez, sem ganhar.

Com isso a fama do Luso
Aos poucos se escafedeu,
Enquanto a do Sampaio
Rapidamente cresceu,
O Tricolor merecia
Conquistar seu apogeu.



Contabiliza os títulos estaduais:

São três dezenas de títulos
No Estadual conquistados,
Nem precisa ser adivinho,
Pra saber, adiantado,
Que a Bolívia ganhará,
Mais torneios disputados.


Louva o hino Tricolor:

As vitórias do Sampaio
Ganham mais em emoção
Quando o povo canta o hino
Composto para o timão,
Para a Bolívia Querida,
Time de maior torcida,
Em todo este Maranhão.

O hino do tricolor
Foi escrito com esmero,
Na medida, para um time,
Com espírito guerreiro.
Agostinho Reis compôs,
Esse canto verdadeiro.


E resgata a memória de grandes mestres da bola que passaram pelo Clube:

Muitos craques o Sampaio
Teve em seu grande plantel,
Tantos que nem vai dar
Pra citar neste cordel,
Se fosse falar de todos
Iria faltar papel.

Por isso vou relembrar
Alguns nomes de valor,
Craques que defenderam
A camisa Tricolor
Com raça, dedicação,
Com carinho e com fervor.

Peço a bênção a Neguinho,
Jogador que no passado
Pela torcida do clube
Era muito admirado.
Por suas atuações
Sempre será lembrado.

Um grande feito ele fez
Num jogo muito importante
Na final do brasileiro,
Quando o craque, num instante,
Numa decisão por pênaltis
Mandou os cinco pro barbante.


Confira mais detalhes no livro Bolívia Querida: a História do Sampaio Corrêa em cordel, que ganhou também versão em papel.



Postagens mais visitadas deste blog

"Arte e Manhas do Jabuti" será lançado em junho

Publicado com o selo Autêntica, será lançado em breve, em São Luís, o meu infantil Arte e Manhas do Jabuti. O livro, com recontos da tradição oral dos tenetehara, tem apresentação do escritor e pesquisador da cultura popular, Marco Haurélio, e belíssimas ilustrações de Taisa Borges.  Lembrete: para quem quiser se adiantar, o livro já se encontra em pré-venda na página da editora (http://grupoautentica.com.br/). Arte e Manhas do Jabuti conta com apoio cultural do SESC-MA.




























O dono da banca: a história e as polêmicas por trás da maior editora de revistas do país

Da revista Veja já se disse quase tudo. Que é conservadora, reacionária, de esquerda, de direita, elitista, sem compromisso com os fatos ou com os princípios básicos do jornalismo. Enfim, um manancial de adjetivos desabonadores cuja lista aumenta sempre que a revista, com suas posições e matérias, melindra sensibilidades.  Exemplo antigo: reportagem de Veja de 1989 estampando foto do cantor e compositor Cazuza com o título: “Uma vítima da Aids agoniza em praça pública”. Exemplo recente: capa de Veja com foto de Marcela, esposa do presidente Michel Temer, chamando para reportagem sobre a primeira-dama. Para muitos, tratava-se de mais uma tentativa da revista de ajudar a atenuar a rejeição dos brasileiros em relação ao desgastado presidente.
De qualquer maneira não deixa de ser instrutivo, mesmo para os mais viscerais desafetos da principal joia da coroa da Editora Abril, a leitura de “Roberto Civita, o dono da banca”, do jornalista Carlos Maranhão. Trata-se da biografia de Roberto Civit…

A menina inhame e Os dois irmãos e o olu: dois belos contos africanos em versos de cordel

Acabaram de sair pela editora SESI-SP os livros A menina inhame e Os dois irmãos e o olu, contos africanos que ganharam nessas obras versões em cordel.
A menina inhame é um conto tradicional africano recolhido e recontado por Agnès Agboton, com tradução do escritor Celso Sisto para o português. E a ideia foi unir a tradição dos versos de cordel à forte tradição africana voltada para a oralidade, manifestada com imensa beleza estética nesta história de provável origem iorubá.
O conto fala da angústia de uma mulher que desprezada pela sua comunidade por não conseguir ter filhos, pede a algo da natureza (no caso um inhame, tubérculo que em alguns países da África tem uma simbologia ancestral ligada à fertilidade) que se converta em sua filha. Assim, a fim de convencer o inhame, chamado Tevi, a atender-lhe o desejo, a mulher promete jamais revelar a verdadeira origem da moça. Mas acaba, o que gera desagradáveis consequências, quebrando a promessa num momento de raiva.
Os dois irmão e o …