Bolívia Querida, a História do Sampaio Corrêa em cordel, virou eBook. O livreto, que agora pode ser adquirido no site da Amazon (clique aqui) foi publicado com o objetivo de homenagear o Sampaio pela ocasião da conquista do Campeonato Brasileiro Série D, e traz em versos rimados a trajetória deste que é um dos mais importantes clubes de futebol do Maranhão.

O time das multidões
Em vinte e três foi fundado (1923)
Por um grupo de esportistas
No bairro do Lira chamado,
Começou humildemente,
Mas logo seria afamado.


O livro rememora os tempos difíceis que se sucederam após a fundação, e de como o Sampaio logo se impôs, derrotando os times da periferia e conquistando seu lugar ao sol, entre os grandes clubes da época:

Na sua primeira fase
Com muita raça e ousadia,
O Tricolor foi fazendo
Uma grande freguesia,
Surrando sem piedade
Clubes da periferia.

Finalmente, certo dia,
Chamou p’rum desafiado
O tal Luso Brasileiro,
Time de endinheirado,
Na época o campeão
De futebol no estado.

Enquanto o Luso era
Um time de condição,
O Sampaio era um escrete
De povo pobre, sem chão,
Sua torcida era humilde,
Só de gente do povão.

Enquanto os atletas Lusos
Tinham nomes de estola,
Vandick, Guilhon, Negreiros...
Do Sampaio, a corriola,
Tinha Zezico, Mundico,
Zé Ratinho e Chico Bola.

Mesmo assim pro time chique
Foi negativo o placar,
O tricolor bateu o Luso,
Que não gostou de apanhar,
E implorando por revanche
Jogou outra vez, sem ganhar.

Com isso a fama do Luso
Aos poucos se escafedeu,
Enquanto a do Sampaio
Rapidamente cresceu,
O Tricolor merecia
Conquistar seu apogeu.



Contabiliza os títulos estaduais:

São três dezenas de títulos
No Estadual conquistados,
Nem precisa ser adivinho,
Pra saber, adiantado,
Que a Bolívia ganhará,
Mais torneios disputados.


Louva o hino Tricolor:

As vitórias do Sampaio
Ganham mais em emoção
Quando o povo canta o hino
Composto para o timão,
Para a Bolívia Querida,
Time de maior torcida,
Em todo este Maranhão.

O hino do tricolor
Foi escrito com esmero,
Na medida, para um time,
Com espírito guerreiro.
Agostinho Reis compôs,
Esse canto verdadeiro.


E resgata a memória de grandes mestres da bola que passaram pelo Clube:

Muitos craques o Sampaio
Teve em seu grande plantel,
Tantos que nem vai dar
Pra citar neste cordel,
Se fosse falar de todos
Iria faltar papel.

Por isso vou relembrar
Alguns nomes de valor,
Craques que defenderam
A camisa Tricolor
Com raça, dedicação,
Com carinho e com fervor.

Peço a bênção a Neguinho,
Jogador que no passado
Pela torcida do clube
Era muito admirado.
Por suas atuações
Sempre será lembrado.

Um grande feito ele fez
Num jogo muito importante
Na final do brasileiro,
Quando o craque, num instante,
Numa decisão por pênaltis
Mandou os cinco pro barbante.


Confira mais detalhes no livro Bolívia Querida: a História do Sampaio Corrêa em cordel, que ganhou também versão em papel.



Comentários

Postagens mais visitadas