Pular para o conteúdo principal

Audiência sobre livro de Lobato no Supremo termina sem acordo




Professora da USP destaca o papel da "leitura ativa".

A polêmica envolvendo o escritor Monteiro Lobato, acusado de empregar trechos racistas em seus livros, está longe de terminar.

Nesta terça-feira, após mais de três horas de discussão, o Ministério da Educação (MEC) e o Instituto de Advocacia Racial (IARA) encerraram a primeira audiência de conciliação sobre o livro Caçadas de Pedrinho sem chegar a um acordo. Uma nova reunião foi marcada para o dia 25 de setembro.

O parecer do CNE que iniciou o caso foi suscitado sobretudo pela abordagem, no livro, da personagem Tia Nastácia, devido a trechos como o que comparava a cozinheira a uma "macaca de carvão". Embora o MEC tenha se comprometido a acrescentar uma nota explicativa contextualizando historicamente esse tipo de comparação, o IARA acha pouco.

No texto da ação que move contra o MEC diz: "Não há como se alegar liberdade de expressão" quando "a obra faz referências ao 'negro' com estereótipos fortemente carregados de elementos racistas".

Sobre esta delicada questão, pronunciou-se na Folha de S. Paulo de ontem a profa Noemi Jaffe (USP), sugerindo a importância da reflexão sobre os usos da linguagem e suas vicissitudes.


OPINIÃO
Não se pode tratar alunos como meros espectadores ingênuos
NOEMI JAFFE

A palavra ficção vem de "fingere", que, no inglês, derivou também em "finger", ou dedo, em português. Isso porque era com os dedos que os artistas da antiguidade modelavam o barro para dar a ele formas inventadas.

Atualmente, como produto dessa história de modelagens e representações, ficção é praticamente sinônimo de "mentira", "fingimento": são formas criadas pela mente humana.

É de se estranhar, portanto, para dizer o mínimo, que alguns educadores, entre cujos objetos de trabalho está a invenção verbal, queiram censurar a obra de Monteiro Lobato, de Dalton Trevisan, de Jorge Amado ou de quem quer que seja, por conterem alusões racistas, pornográficas ou afins.

Antes de tudo, de qualquer argumentação histórica ou contextual, as obras desses autores, sob ameaça de censura, são invenções ficcionais, todas perfeitamente delimitadas por esse escopo.

Nem os alunos são ingênuos a ponto de achar que uma narrativa literária é a verdade e nem os professores -espera-se- vão abordar essas histórias como se elas o fossem.

Quando um professor se depara, em sala de aula, com qualquer tratamento ficcional de teor divergente das Leis de Diretrizes e Bases, que, entre outras coisas, proíbem o ensino de conteúdo racista, é só mostrar aos alunos que:

1) é ficção; 2) a língua é um organismo vivo, passível de mudanças; 3) os hábitos comportamentais e literários também se modificam; 4) um autor e sua obra não podem ser julgados por afirmações ficcionais e contextualizadas.

Na verdade, trata-se de uma ótima oportunidade de se discutirem os limites entre a realidade e a ficção e o significado das construções politicamente corretas, que muitas vezes mais disfarçam do que educam.

Isso, aliás, independe de faixa etária ou econômica. As crianças e adolescentes brasileiros são suficientemente preparados pelo cinema, a televisão, a internet, a vida e a própria literatura para fazerem a distinção entre o real e o não real. Não se pode tratar os alunos como se fossem meros espectadores, ingênuos e influenciáveis.

LEITURA ATIVA
A leitura ativa é aquela que possibilita ao aluno ler criticamente, compreendendo o tema, a linguagem e as mudanças sociais e históricas.

Se fosse o caso de censurar liminarmente preconceitos ficcionais, hoje não leríamos Madame Bovary e provavelmente parte da Bíblia poderia ser vetada.

A literatura -e a arte- são territórios onde cabem o erro, o preconceito, a divergência e a loucura. Isso não deseduca, mas, ao contrário, prepara os alunos para questionarem a si mesmos e ao mundo.

NOEMI JAFFE é doutora em literatura brasileira pela USP, ex-professora de literatura em colégios particulares em São Paulo e autora de "Quando Nada Está Acontecendo" (Martins), entre outros.


Postagens mais visitadas deste blog

FEIRA DO LIVRO COMEÇA SÓ SEGUNDA

Não teve jeito. A Feira de Livros de São Luís, que este ano deveria festejar uma década de existência, arrisca ser a mais fraca de todos os tempos. Alguns dos motivos: 1) A feira, que antes era realizada em dez dias, ficará com apenas sete. Ou seja, perderá um fim de semana, acarretando tremenda perda para os livreiros e para a comunidade, que terá menos tempo para visitação; 2) A feira encolheu de tamanho. Dos 32 stands a serem administrados pela Associação dos Livreiros, ficaram 28, o que acarretou a lamentável saída de uma das maiores editoras deste país, a Paulus; 3) Afora a mídia institucional e a pouca espontânea, a Felis praticamente não contou com divulgação, o que é impensável para um evento desse porte; 4) A forma atabalhoada e de última hora como a estrutura está sendo montada. Tanto que, prevendo-se que não estarão concluídas até amanhã (o que parece óbvio), resultou no cancelamento da abertura oficial do evento. E por que aconteceu assim? Muito provavelmente (em que pese …

Feira do Livro: veja a programação de hoje

Programação da 10ª Feira do Livro DIA 08 DE NOVEMBRO
(terça-feira)

CAFÉ LITERÁRIO
Local: Centro de Criatividade Odylo Costa, filho 17h – Sarau Musical "Brilhando no Café"
Realização: Curso de Licenciatura em Música - DEART – UFMA 17h30 – Bate-Papo Literário: Gonçalves Dias: as várias faces do poeta maior
Debatedores: Weberson Fernandes Grizoste, Dino Cavalcante e Renata Ribeiro
Mediador: José Neres 19h – Sarau Café com Canção
Realização: Curso de Licenciatura em Música da Universidade Estadual do Maranhão - UEMA
PALCO FELIS
Local: Praça Nauro Machado 14h – Ciranda da Rosa Vermelha – UEB Primavera 14h40 – Dança do Ventre – UEB Primavera 15h – Nazuá e o Arco íris – Residência 05 16h – Baú de Histórias – Xama Teatro 17h – A mala do biruta – André Coelho 18h30 – Um apartamento no céu - NAFEM CONFERÊNCIAS
Local: Praça Nauro Machado
Horário: 20h Palestrante: Eduardo Bueno (RS)
Tema: Na Estrada da História
Mediador: Marcus Saldanha (jornalista e historiador) CASA DO ESCRITOR MARANHENSE – LANÇAMENTO DE…

Prefeitura garante realização e livreiros se preparam para a 10ª FELIS

Diante da garantia por parte da Secretaria de Cultura Municipal de que a Feira do Livro de São Luís irá acontecer, a Associação dos Livreiros do Maranhão (ALEM) realizou ontem sorteio dos stands disponibilizados pela organização aos associados da instituição. Segundo Milton Lira, a reunião aconteceu em clima de otimismo e a expectativa é de que a Feira aconteça. Além do fato de ser ano de eleição, a desconfiança de que a 10ª FELIS não seria realizada ganhou força nos últimos dias, quando a empresa responsável pela montagem da estrutura do evento, que deverá acontecer na Praia Grande, teria suspendido seu planejamento por falta de assinatura de contrato com a Prefeitura. Agora é ver se o tempo que resta até a abertura da FELIS (o que está previsto para este fim de semana) será hábil para a montagem da estrutura física, que até ontem não havia começado.