Pular para o conteúdo principal

O dono da banca: a história e as polêmicas por trás da maior editora de revistas do país

Da revista Veja já se disse quase tudo. Que é conservadora, reacionária, de esquerda, de direita, elitista, sem compromisso com os fatos ou com os princípios básicos do jornalismo. Enfim, um manancial de adjetivos desabonadores cuja lista aumenta sempre que a revista, com suas posições e matérias, melindra sensibilidades.  Exemplo antigo: reportagem de Veja de 1989 estampando foto do cantor e compositor Cazuza com o título: “Uma vítima da Aids agoniza em praça pública”. Exemplo recente: capa de Veja com foto de Marcela, esposa do presidente Michel Temer, chamando para reportagem sobre a primeira-dama. Para muitos, tratava-se de mais uma tentativa da revista de ajudar a atenuar a rejeição dos brasileiros em relação ao desgastado presidente.

De qualquer maneira não deixa de ser instrutivo, mesmo para os mais viscerais desafetos da principal joia da coroa da Editora Abril, a leitura de “Roberto Civita, o dono da banca”, do jornalista Carlos Maranhão. Trata-se da biografia de Roberto Civita, o criador de Veja, e da história da criatura, que a despeito dos solavancos ainda se mantém como a mais importante do grupo e a de maior vendagem no país. Escrito com rigor jornalístico e lido com sabor de romance, a obra resgata na verdade a trajetória da própria Editora Abril desde a sua criação pelas mãos de Victor Civita, pai de Roberto, até os momentos difíceis impostos pela crise profunda que se abateu sobre a mídia impressa nos primeiros anos do século XXI.  
Pelos números, dá para se ter uma ideia da força e do tamanho da influência que, para o bem ou para o mal, a Abril exerceu no país. Tendo como primeiro título o gibi “Raio Vermelho”, lançado em 1950, a editora da arvorezinha viria a se transformar num império que nos seus momentos de maior vigor chegou a empregar mais de 10 mil profissionais e publicar nada menos que trezentos títulos. Uma produção exuberante que balançou e ajudou a fazer governos e tirou o sono de poderosos. E que se incorporou de tal modo à formação intelectual de brasileiros de diversas gerações que é impossível encontrar um só nacional instruído na faixa dos cinquenta ou sessenta anos cuja formação não tenha sido pelo menos tangenciada por conteúdos de publicações como Os Pensadores, revista Quatro-Rodas, Claudia, Play Boy. Além, é claro, daquela que com suas reportagens de primeira linha passou a ser um marco do jornalismo no país, a revista Realidade.

Segundo o autor, profissional de longo curso da Abril, a ideia do livro surgiu de uma série de entrevistas a ele concedidas por Roberto Civita, que tinha o propósito de organizar suas memórias para publicação. Com a morte do protagonista, em 2013, o projeto acabou sendo interrompido, até, passada a comoção inicial, Maranhão resolver retomá-lo. Obteve autorização da família e para que suas ligações profissionais com o grupo não viessem a comprometer o trabalho, decidiu também afastar-se temporariamente da empresa. O resultado está em quinhentas páginas de ótimo texto, onde o leitor irá encontrar desde célebres picuinhas do mundo da imprensa, até revelações tipo puladas de cerca, ressentimentos, brigas. Enfim, coisas que acontecem até nas melhores famílias.
Carlos Maranhão, a propósito, não é maranhense, mas paranaense.



Postagens mais visitadas deste blog

FEIRA DO LIVRO COMEÇA SÓ SEGUNDA

Não teve jeito. A Feira de Livros de São Luís, que este ano deveria festejar uma década de existência, arrisca ser a mais fraca de todos os tempos. Alguns dos motivos: 1) A feira, que antes era realizada em dez dias, ficará com apenas sete. Ou seja, perderá um fim de semana, acarretando tremenda perda para os livreiros e para a comunidade, que terá menos tempo para visitação; 2) A feira encolheu de tamanho. Dos 32 stands a serem administrados pela Associação dos Livreiros, ficaram 28, o que acarretou a lamentável saída de uma das maiores editoras deste país, a Paulus; 3) Afora a mídia institucional e a pouca espontânea, a Felis praticamente não contou com divulgação, o que é impensável para um evento desse porte; 4) A forma atabalhoada e de última hora como a estrutura está sendo montada. Tanto que, prevendo-se que não estarão concluídas até amanhã (o que parece óbvio), resultou no cancelamento da abertura oficial do evento. E por que aconteceu assim? Muito provavelmente (em que pese …

Feira do Livro: veja a programação de hoje

Programação da 10ª Feira do Livro DIA 08 DE NOVEMBRO
(terça-feira)

CAFÉ LITERÁRIO
Local: Centro de Criatividade Odylo Costa, filho 17h – Sarau Musical "Brilhando no Café"
Realização: Curso de Licenciatura em Música - DEART – UFMA 17h30 – Bate-Papo Literário: Gonçalves Dias: as várias faces do poeta maior
Debatedores: Weberson Fernandes Grizoste, Dino Cavalcante e Renata Ribeiro
Mediador: José Neres 19h – Sarau Café com Canção
Realização: Curso de Licenciatura em Música da Universidade Estadual do Maranhão - UEMA
PALCO FELIS
Local: Praça Nauro Machado 14h – Ciranda da Rosa Vermelha – UEB Primavera 14h40 – Dança do Ventre – UEB Primavera 15h – Nazuá e o Arco íris – Residência 05 16h – Baú de Histórias – Xama Teatro 17h – A mala do biruta – André Coelho 18h30 – Um apartamento no céu - NAFEM CONFERÊNCIAS
Local: Praça Nauro Machado
Horário: 20h Palestrante: Eduardo Bueno (RS)
Tema: Na Estrada da História
Mediador: Marcus Saldanha (jornalista e historiador) CASA DO ESCRITOR MARANHENSE – LANÇAMENTO DE…

Feira do Livro ameaçada de não acontecer

Por Geraldo Iensen Pelo menos a classe artística da cidade está num clima tenso. Estão circulando desde quinta-feira informações que levam a crer que a 10 ª Feira do Livro de São Luís – 10 ª FELIS, marcada para os dias de 6 a 13 de novembro, pode não ser realizada. Os motivos são muitos. O primeiro sinal veio através de um texto que percorreu grupos de whatsapp dizendo que “a estrutura dos stands da Feira do Livro que estava sendo montada foi recolhida, por embargo do IPHAN, alegando falta de pagamento da prefeitura das autorizações anteriores e a deste ano, E corre o risco de a feira não acontecer”. Em contato com Raphael Pestana, Coordenador técnico do IPHAN, foi esclarecido que o IPHAN não embargou nada e nem cobra por “análise ou aprovação de qualquer coisa”. Porém, segundo o coordenador, “todo ano eles mandam o projeto com meses de antecedência. Agora eles mandaram em cima da hora e mesmo assim nós analisamos e devolvemos para eles complementarem o projeto com as informações, como f…